As grandes contribuições do Brasil para a ciência

Ao longo do século 20, o Brasil deu grandes contribuições para a ciência, a tecnologia e a cultura. É o que se depreende da leitura dos três volumes da coleção Humanistas e Cientistas do Brasil, que a Editora da USP (Edusp) e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) lançaram no dia 11 de abril, no Centro Universitário Maria Antonia (Ceuma) da USP.

Os professores Eduardo Krieger, Nícia Magalhães, Helena Nader e Hernan Chaimovich no lançamento do livro publicado pela Edusp e pela SBPC, no Centro Universitário Maria Antonia, no dia 11 de abril – Divulgação/SBPC

Os professores Eduardo Krieger, Nícia Magalhães, Helena Nader e Hernan Chaimovich no lançamento do livro publicado pela Edusp e pela SBPC, no Centro Universitário Maria Antonia, no dia 11 de abril – Foto: Divulgação/SBPC

Com um total de 996 páginas, os três volumes da coleção contam a trajetória de 63 cientistas e intelectuais brasileiros. A coordenação do projeto – concebido em 2007 – foi do professor Luiz Edmundo de Magalhães, ex-diretor do Instituto de Biociências (IB) da USP, que morreu em maio de 2012. “O propósito da obra é mostrar ao Brasil alguns de seus principais cientistas, seu pensamento e suas contribuições à ciência e ao País”, disse a presidente da SBPC, Helena Nader, durante o evento de lançamento da coleção, que teve a presença da viúva de Magalhães, a professora e ambientalista Nícia Wendel de Magalhães, que continuou o trabalho de Magalhães após sua morte.

Histórias

A coleção está dividida de acordo com as três grandes áreas do conhecimento. Um volume é intituladoCiências da Vida e destaca 27 cientistas, entre eles Euryclides de Jesus Zerbini (1912-1993), médico responsável pelo primeiro transplante de coração do Brasil, em 1968, Oswaldo Frota Pessoa (1917-2010), o pioneiro da genética humana no Brasil, e Ricardo Enzo Brentani (1937-2011), precursor da medicina por DNA no País.

O geógrafo Aziz Ab'Sáber: um dos grandes cientistas do Brasil – Franciso Emolo:Arquivo Jornal da USP

O geógrafo Aziz Ab’Sáber: um dos grandes cientistas do Brasil – Foto: Franciso Emolo/Arquivo Jornal da USP

O volume Ciências Exatas traz a história de 15 cientistas, como Abrahão de Moraes (1917-1970), fundador da moderna astronomia brasileira, Aldo Rebouças (1937-2011), um dos maiores especialistas em recursos hídricos do Brasil, e Paschoal Senise (1917-2011), mestre da química.

Outros 21 cientistas brasileiros são o tema do volume Ciências Humanas, que destaca, entre outros, o educador Anísio Teixeira (1900-1971), o antropólogo Darcy Ribeiro (1922-1997), o historiador Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982) e o geógrafo Aziz Ab’Sáber (1924-2012).

Cada artigo publicado na coleção é de autoria de pesquisadores que conviveram com o cientista retratado. Por exemplo, o texto que aborda a vida e a obra de Euryclides Zerbini traz a assinatura dos professores da Faculdade de Medicina da USP Adib Jatene (1929-2014) e Noedir Stolf. “O professor Euryclides de Jesus Zerbini é, sem dúvida, um dos maiores vultos da medicina brasileira”, escrevem Jatene e Stolf. “Suas contribuições para a cirurgia torácica, e especialmente a cirurgia cardiovascular, bem como a formação de grande número de cirurgiões, ao lado do estímulo à produção nacional de insumos para cirurgia cardíaca, além de criador de nossa maior instituição acadêmica na área – o Instituto do Coração (Incor) –, garantem-lhe lugar definitivo na história da medicina brasileira.”

Luiz Edmundo de Magalhães – Jorge Maruta:Arquivo Jornal da USP

Luiz Edmundo de Magalhães – Arquivo Jornal da USP

Quem escreve sobre Abrahão de Moraes é o Professor Emérito do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP Sylvio Ferraz Mello. “Da sua luta incansável resultou a transformação do IAG em unidade de ensino e pesquisa da USP”, escreve Mello. “O professor Abrahão de Moraes dedicou-se a elaborar uma teoria do movimento dos satélites artificiais da Terra”, escreve Mello, citando uma das contribuições do cientista. “Sua teoria, publicada pela Academia Brasileira de Ciências, contém o cálculo das principais perturbações orbitais devidas ao achatamento da Terra.”

Aziz Ab’Sáber não foi apenas um grande intérprete da complexa natureza brasileira – incluindo o Nordeste seco, a Amazônia, o Cerrado e o planalto das araucárias –, mas também um leitor atento dos problemas socioeconômicos do Brasil. Assim o ex-reitor da USP Jacques Marcovitch, autor do artigo sobre Ab’Sáber, caracteriza o geógrafo. “A ciência, para ele, sempre foi o que deve ser para os seus grandes praticantes: exercício permanente de busca, descoberta e formação de continuadores.”

“A ciência, para ele, sempre foi o que deve ser para os seus grandes praticantes: exercício permanente de busca, descoberta e formação de continuadores”

Outros cientistas retratados na coleção recém-lançada são Ernesto Paterniani, Mário Meneghini, Paulo Sawaya, Samuel Pessoa (ciências da vida), Omar Catunda, Sérgio Porto (exatas), Aroldo de Azevedo, Bento Prado Jr., Fernando de Azevedo e Lúcio Costa (humanas).

O leitor notará a ausência de cientistas como Mário Schenberg (1914-1990) e César Lattes (1924-2005). Segundo a professora Nícia Magalhães, eles não fazem parte da coleção porque integram outro volume lançado pela SBPC para homenagear os cientistas brasileiros, intitulado Cientistas do Brasil – Depoimentos, lançado em 1998.

Coleção foi concebida em 2007

A coleção Humanistas e Cientistas do Brasil é resultado de um projeto idealizado pelo professor Luiz Edmundo de Magalhães e apresentado em 2007 à Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, segundo informa reportagem do Jornal da Ciência, de autoria de Vivian Costa. O objetivo era reunir as biografias de renomados cientistas brasileiros, que já não estavam mais vivos, das áreas de ciências humanas, ciências exatas e ciências da vida. Em 2010, a SBPC criou uma comissão para concretizar a ideia.

Luiz Edmundo de Magalhães foi diretor do Instituto de Biociências (IB) da USP entre 1985 e 1988, reitor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) de 1975 a 1979 e Doutor Honoris Causa dessa instituição, informa a reportagem. “Especialista em Genética Animal e Genética de Populações, foi o responsável pela produção do primeiro camundongo transgênico no Brasil. Nos últimos anos de vida, dedicou-se a trabalhos sobre ética animal. Magalhães foi ainda conselheiro e secretário geral da SBPC de 1969 a 1991.”

FONTE

Calendário

janeiro, 2019

Ordenar Opções

dom

seg

ter

qua

qui

sex

sab

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Sem eventos.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Pela primeira vez, Sisu tem queda no total de vagas oferecidas
Pela primeira vez, Sisu tem queda no total de vagas oferecidas.

Edição do primeiro semestre de 2019 terá 235.476 vagas, número 1,7% menor que a do ano anterior; desde o lançamento do Sisu, em 2010, crescimento foi contínuo. A edição do primeiro semestre de 2019 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) vai ter um número menor de vagas do que a do ano anterior. Apesar da […] [mais]

Cai a concorrência de medicina – ainda curso mais disputado da Fuvest
Cai a concorrência de medicina – ainda curso mais disputado da Fuvest.

A Fuvest, fundação responsável pelo vestibular da USP (Universidade de São Paulo), divulgou nesta sexta-feira (16) a relação de candidatos por vaga para o vestibular 2019. As três carreiras mais concorridas, repetindo os anos anteriores, são de medicina nos campi de São Paulo (115,2), Ribeirão Preto (108,7) e Bauru (86,9), respectivamente. No entanto, foi observada […] [mais]

Novembro: Mês da Conscientização do Câncer de Próstata
Novembro: Mês da Conscientização do Câncer de Próstata.

O câncer de próstata é o tipo de câncer mais comum entre os homens. A próstata é uma glândula que está localizada na base da bexiga, na frente do reto. É normal haver um aumento natural da próstata à medida que os homens envelhecem. Contudo, o câncer de próstata é causado com um aumento desproporcional […] [mais]