Beta-ionona tem potencial preventivo para câncer de fígado

19 de Agosto de 2015 – 09h59 

A susbtância beta-ionona (BI) tem potencial quimiopreventivo para o câncer de fígado. Encontrada em uvas e aromatizantes de vinhos, a BI é um composto bioativo da classe dos isoprenóides, envolvido com a via metabólica do mevalonato e a síntese do colesterol. Em testes realizados com animais, na Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP pela pesquisadora Mayara Lilian Paulino Miranda, verificou-se que a BI reduziu lesões pré-neoplásicas (LPN) no órgão, que precedem o câncer. O estudo também apresenta indícios de que a substância atenua o desenvolvimento da doença hepática gordurosa não alcoólica (NAFLD), causada pelo acúmulo de gordura no fígado, que pode estar relacionada ao aparecimento das lesões.

Beta-ionona reduziu lesões pré-neoplásicas (LPN) no fígado, que precedem o câncer.

De acordo com Mayara, o termo NAFLD designa um grupo de doenças definidas por esteatose hepática (presença de gordura no fígado) em mais de 5% dos hepatócitos (células do fígado), na ausência de consumo de etanol (álcool). “Ela pode resultar em resistência hepática e periférica à insulina”, relata. “Conforme o grau, também desencadeia lesões por estresse oxidativo, lesão hepática mediada por citocinas, hepatotoxicidade mediada por ácidos graxos livres (AGL), concentrações elevadas intra-hepáticas de colesterol, hiperinsulinemia, hiperleptinemia, hipoadiponectinemia, e a apoptose (morte celular)”.

A morte celular pode resultar em necroinflamação e fibrose, que são consideradas lesões classificadas como LPN em seres humanos. A NAFLD pode variar de simples esteatose a sua forma mais grave, esteatohepatite não alcoólica (NASH) . “A prevalência da doença pode ser de 30% da população em países industrializados e está aumentando em países em desenvolvimento devido à mudança de hábitos alimentares”, aponta a pesquisadora. “Estima-se, ainda, que na obesidade mórbida há um risco aumentado de 90% de desenvolvimento de NAFLD”.

Para verificar o potencial quimiopreventivo da BI, a pesquisa mediu o número e a área das LPNs, por meio de marcação de imunohistoquímica GST-P. “A proliferação celular foi medida por dupla marcação de imunohistoquímica para GST-P e KI67”, afirma a pesquisadora. A imunohistoquímica é a identificação de epítopos no tecido por meio da reação entre antígeno e anticorpo, revelada por um marcador visual e examinada por microscopia óptica ou eletrônica. “Foi realizada ainda a quantificação da apoptose em lâminas de Hematoxilina e Eosina (H&E), avaliação do dano celular por meio da técnica de cometa e avaliação do escore de células ovais nestes tecidos, também em lâminas de H&E”.

Efeito quimiopreventivo

Células ovais hepáticas são reconhecidas como células progenitoras, ou seja, que podem se diferenciar e dar origem a outras células como hepatócitos e colangiócitos. Essas células muitas vezes estão aumentadas em LPNs, e segundo a teoria hierárquica, podem dar origem a neoplasias. “A BI reduziu o número e área das LPNs persistentes, além de reduzir a proliferação celular e o escore de células ovais. Isso demonstra que o composto apresenta um potencial efeito quimiopreventivo”, ressalta Mayara. “Além disso, há evidências de que a substância atenua o desenvolvimento da NAFLD, por reduzir o grau de esteatose e de inflamação”

A pesquisa também verificou que a doença potencializa o desenvolvimento de LPNs em ratos Wistar submetidos ao modelo do hepatócito resistente (RH) na etapa de iniciação e promoção inicial da hepatocarcinogênese (câncer de fígado). “Também foi observada a possível atividade quimiopreventiva da BI na associação entre NAFLD e RH (AS)”, diz Mayara.

A BI é um composto bioativo da classe dos isoprenóides presentes na estrutura molecular do retinol, β-caroteno (BC) e ácido retinoico e pode ser encontrada em uvas e aromatizantes de vinhos. “Isoprenóides são compostos bioativos que contém estruturas repetidas de cinco carbonos, relacionados com a via do mevalonato, uma via metabólica do ácido mevalônico que gera como subprodutos escaleno, lanosterol e colesterol, diz a pesquisadora. “Entretanto a biodisponiblidade da BI é reduzida, sendo necessário um consumo muito superior ao humano para atingir doses com efeito biológico considerável”, descreve a pesquisadora.

O composto possui potencial quimiopreventivo demonstrado em diversos estudos in vitro em células neoplásicas como de mama, colón, gástrico, melanoma e leucemia. “Entretanto são poucos os estudos in vivo com esse isoprenóide, de modo que são ainda necessárias mais pesquisas até que seja viável sua utilização em estudos com humanos”, conclui Mayara. A pesquisa foi orientada pelo professor Fernando Salvador Moreno, da FCF, que desenvolve estudos na área de quimioprevenção do câncer.

FONTE

Calendário

janeiro, 2019

Ordenar Opções

dom

seg

ter

qua

qui

sex

sab

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Sem eventos.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Enem 2018: resultado é divulgado pelo Inep; veja como consultar a nota
Enem 2018: resultado é divulgado pelo Inep; veja como consultar a nota.

Resultado dos treineiros só será divulgado no dia 18 de março. As notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 foram divulgadas na manhã desta sexta-feira (18). Para acessar, os candidatos que fizeram o exame devem entrar na Página do Participante (https://enem.inep.gov.br/), incluir o CPF e a senha cadastrada. A nota do Enem só […] [mais]

Sobe para 37 o total de universidades que aceitam notas do Enem em Portugal
Sobe para 37 o total de universidades que aceitam notas do Enem em Portugal.

Inep assinou novo convênio com a Universidade Europeia de Lisboa. A Universidade Europeia de Lisboa será a 37ª instituição de ensino superior de Portugal que vai aceitar o uso da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) na seleção de alunos brasileiros. O novo convênio com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) foi […] [mais]

Ministério da Educação define regras para o Fies do primeiro semestre de 2019
Ministério da Educação define regras para o Fies do primeiro semestre de 2019.

Inscrições de 5 a 12 de fevereiro de 2019 O Fies é um programa de financiamento para estudantes cursarem o ensino superior em universidades privadas. A portaria mantém as regras sobre quem poderá participar do financiamento: Quem tenha feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010, tenha nota igual ou maior […] [mais]