Filtro com fibras tem alto rendimento no tratamento de água

Uma dissertação de mestrado da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP propõe a criação de filtros de fibras flexíveis de algodão e de poliéster para fins de tratamento de água. A engenheira ambiental Thalita Fagundes, buscou adaptar à realidade brasileira uma tecnologia recentemente criada na Coreia do Sul e Europa, de alta eficiência e rendimento. O estudo concluiu que os fios usados na indústria têxtil tiveram a eficácia que, acompanhada da redução do uso de produtos químicos e de menor uso de espaço, podem ser uma solução para a redução de custos para o abastecimento público de água.

Os filtros de algodão e poliéster, presos apenas em um dos lado do suporte.

A análise consiste em filtros cujos leitos filtrantes (seu recheio, onde o processo em si ocorre) são constituídos de microfibras de algodão ou poliéster paralelas entre si, e presas somente na parte inferior do suporte. O escoamento do líquido a ser filtrado é ascendente e direto, ou seja, não é necessária a floculação e a decantação, processos que fazem as impurezas se aglutinarem e sedimentarem em tanques, para a posterior filtração. A tecnologia possibilita a remoção de sólidos da água, devido à sua alta superfície de contato — consequência das dimensões micrométricas dos fios.

O Laboratório de Tratamento Avançado e Reuso de Águas (LATAR), da EESC, vem estudando essas configurações de filtro desde 2011, sob orientação do professor Marco Reali, que acompanhou a dissertação de Thalita. Uma das linhas de pesquisa do LATAR busca estudar fibras naturais como leito filtrante, considerando o quanto o material é biodegradável e o quão acessível é em comunidades isoladas. “Surgiu a ideia de pesquisar a eficiência da fibra de algodão, já que é largamente produzida e facilmente encontrada no Brasil”, conta a pesquisadora. Também pensando ecologicamente, pesquisou-se também a fibra de poliéster, já que ela pode ser produzida a partir da reciclagem de garrafas PET, além de ser facilmente encontrada pronta em mercados.

Inicialmente, foi testado o fio de algodão cru. Porém, eles não ficavam paralelos durante a confecção do filtro, fator essencial para seu funcionamento. Assim, na pesquisa, o algodão utilizado foi o mercerizado, adquirido pronto. Mercerização é um conjunto de procedimentos que resultam na mudança da celulose do algodão, a fim de que esta apresente mais reatividade com corantes e outros compostos químicos, além de o tornar brilhante e sedoso. “É um processo industrial, comum na indústria têxtil”, comenta.

Filtração

Foram construídos quatro protótipos: dois de algodão mercerizado e dois de poliéster, sendo um de comprimento de 60 centímetros (cm) e outro de 100 cm para ambas as fibras. Também foram usadas 2 dosagens de coagulante (sulfato de alumínio), composto utilizado para auxiliar a filtração: 22,5 miligramas por litro (mg/L) e 15 mg/L. A pesquisa de Thalita indicava que a alta superfície de contato presente nesses tipos de filtros disponibilizava bastantes espaços livres entre os fios para a retenção das impurezas da água. Além disso, esperava-se que altas taxas de filtração distribuíssem as partículas de impureza ao longo do comprimento do filtro, sugerindo a relação entre o comprimento das fibras, a capacidade de reter as partículas nos fios e o maior volume de água filtrada por tempo.

Após os testes, verificou-se que, mesmo com altas taxas de filtração (120 metros por hora [m/h], enquanto nos convencionais costuma ser de 6 a 12 m/h), os filtros apresentavam alto desempenho, acompanhados de uma quantidade menor de coagulante. O protótipo com fibras de 100 cm de comprimento, com 15 mg/L de coagulante, apresentou desempenho satisfatório para a legislação brasileira em relação à turbidez, ou seja, clarificavam a água de acordo com as normas técnicas. O poliéster apresentou melhor desempenho que o algodão, provavelmente porque aquele têm menos afinidade molecular com a água, de acordo com a pesquisadora.

Por lei, a água para consumo humano ainda necessita de uma desinfecção. A pesquisa de Thalita se restringe apenas ao processo de filtração, mas já possui seus pontos positivos: “é possível afirmar que essa configuração tem um potencial enorme em substituir os de filtros areia convencionais; ou no mínimo substituir os decantadores e floculadores e atuar como pré-filtro”, comenta.

Os filtros de náilon, que inspiraram a pesquisa, já são comercializados em larga escala na Europa; assim, a pesquisa busca outros materiais para a produção dos leitos filtrantes, que se adaptem à situação econômica e sanitária brasileira. “É interessante frisar a economia de espaço e de produtos químicos que esta configuração proporciona para as estações de tratamento de água, já que trabalha satisfatoriamente a altíssimas taxas de filtração, e com baixas dosagens de coagulante; e que seu uso e estudos mais aprofundados devem ser incentivados no Brasil”, cita a pesquisadora. 

FONTE

Calendário

julho, 2019

Ordenar Opções

dom

seg

ter

qua

qui

sex

sab

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

qui11jul - 1agojul 1114:30ago 1PROVA DE BOLSA 01 de Agosto14:30 - (agosto 1) 18:40 Rua Condessa Amália nº 146Anglo Guarulhos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Fies: MEC divulga regras para financiamento estudantil do segundo semestre de 2019
Fies: MEC divulga regras para financiamento estudantil do segundo semestre de 2019.

Prazo de inscrição vai de 25 de junho a 1° de julho; resultado com a pré-seleção sai no dia 9 de julho. O Ministério da Educação (MEC) publicou nesta sexta (31) as regras para o Financiamento Estudantil (Fies) do segundo semestre de 2019. Os interessados em solicitar a ajuda devem se inscrever no site do […] [mais]

Fies do segundo semestre de 2019 abre inscrições nesta terça
Fies do segundo semestre de 2019 abre inscrições nesta terça.

Serão oferecidos 150 mil contratos, dos quais 50 mil terão juro zero, de acordo com o Ministério da Educação.   Começa nesta terça-feira (25) o período de inscrições para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) do segundo semestre de 2019. O programa oferece financiamento para estudantes pagarem cursos de graduação em universidades privadas. O prazo para se […] [mais]

Sisu do 2º semestre abre as inscrições para selecionar estudantes para 59 mil vagas
Sisu do 2º semestre abre as inscrições para selecionar estudantes para 59 mil vagas.

De acordo com o Ministério da Educação, este é o maior número de vagas ofertado para o segundo semestre desde a criação do programa. Sistema usa notas do Enem para selecionar alunos que estudarão em universidades públicas.     O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) para o segundo semestre de 2019 abriu as inscrições para […] [mais]