Justiça proíbe Enem de zerar redação que violar direitos humanos

Até agora, ideias como a defesa à tortura ou a qualquer forma de “justiça com as próprias mãos” levam à anulação da redação.

São Paulo – O Tribunal Regional Federal da 1ª Região, de Brasília, acolheu o pedido do movimento Escola Sem Partido e suspendeu a regra do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que pode zerar a redação dos candidatos que violarem os direitos humanos. A decisão foi tomada em caráter de urgência e cabe recurso.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), responsável pela prova, informou que ainda não foi notificado da decisão e, que caso isso ocorra, irá recorrer da decisão.

O desembargador federal Carlos Moreira Alves, invocou dois fundamentos que, segundo ele, sustentam a “ilegitimidade” desse item no edital do Enem.

“Ofensa à garantia constitucional de liberdade de manifestação de pensamento e opinião, também vertente dos direitos humanos propriamente ditos; e ausência de um referencial objetivo no edital dos certames, resultando na privação do direito de ingresso em instituições de ensino superior de acordo com a capacidade intelectual demonstrada, caso a opinião manifestada pelo participante venha a ser considerada radical, não civilizada, preconceituosa, racista, desrespeitosa, polêmica, intolerante ou politicamente incorreta”.

Rômulo Nagib, advogado do Escola sem Partido, disse que a ação foi movida em novembro do ano passado, com o objetivo de suspender a regra para a edição de 2016 e as provas posteriores. Na ocasião, a ação foi negada. O movimento ingressou com um agravo de instrumento que foi acatado nesta quarta-feira, 25.

“Tenho, por, por presente a plausibilidade do direito defendido e, ao mesmo tempo, a possibilidade de advir aos participantes do Enem dano irreparável ou de difícil reparação, diante das consequências que a atribuição de nota zero acarreta”, diz a decisão do desembargador.

Cartilha

De acordo com a Cartilha do Participante – Redação no Enem 2017, algumas ideias e ações serão sempre avaliadas como contrárias aos direitos humanos, como: defesa de tortura, mutilação, execução sumária e qualquer forma de “justiça com as próprias mãos”, isto é, sem a intervenção de instituições sociais devidamente autorizadas.

Também ferem os direitos humanos, a incitação a qualquer tipo de violência motivada por questões de raça, etnia, gênero, credo, condição física, origem geográfica ou socioeconômica e a explicitação de qualquer forma de discurso de ódio voltado contra grupos sociais específicos. Segundo o Inep, apesar de a referência aos direitos humanos ocorrer apenas em uma das cinco competências avaliadas, a menção ou a apologia a tais ideias, em qualquer parte do texto, pode anular a prova.

Na edição de 2016, quando o tema da redação foi “Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil”, foram anuladas as redações que incitaram ideias de violência ou de perseguição contra seguidores de qualquer religião, filosofia, doutrina, seita, inclusive o ateísmo ou quaisquer outras manifestações religiosas, além de ideias de cerceamento da liberdade de ter ou adotar religião ou crença e que tenham defendido a destruição de vidas, imagens, roupas e objetos ritualísticos.

De acordo com o Inep, a prova de redação do Enem sempre exigiu que o participante respeite os direitos humanos, mas, desde 2013, o edital do exame tornou obrigatório o respeito ao tema, sob pena de a redação receber nota zero.

A prova de redação, que será aplicada no dia 5 de novembro, exige a produção de um texto em prosa, do tipo dissertativo-argumentativo, sobre um tema de ordem social, científica, cultural ou política.

O candidato deve apresentar uma proposta de solução para o problema proposto, a chamada intervenção, respeitando os direitos humanos Também deve ser apresentada uma referência textual sobre o tema.

Calendário

abril, 2018

Ordenar Opções

dom

seg

ter

qua

qui

sex

sab

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

sab21abr14:30- 17:30Concurso de Bolsas- 21 de abril – Turma de Maio14:30 - 17:30 Rua Condessa Amália nº 146Anglo Guarulhos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Isenção UNICAMP 2019
Isenção UNICAMP 2019.

As inscrições para Isenção da Taxa de Inscrição do Vestibular Unicamp 2019 começam amanhã (20/4) e vão até o dia 21/5.  A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) receberá, a partir do dia 20 de abril, os pedidos de isenção da taxa de inscrição do Vestibular Unicamp 2019. Os pedidos deverão ser realizados até dia 21 de maio, […] [mais]

Mudanças no vestibular e demais formas de ingresso começam a valer este ano na Unicamp
Mudanças no vestibular e demais formas de ingresso começam a valer este ano na Unicamp.

Formas de ingresso unicamp   A partir do próximo processo seletivo, o Vestibular 2019, a Unicamp passa a colocar em prática os mecanismos que criam múltiplas formas de ingresso nos seus cursos de graduação. O objetivo das novas “portas de entrada” para a Universidade é ampliar a representação do conjunto da sociedade na Unicamp. A aprovação […] [mais]

Pedido de isenção de taxa no Enem 2018 pode ser feito até domingo (15)
Pedido de isenção de taxa no Enem 2018 pode ser feito até domingo (15).

Veja quem tem direito à isenção de taxa e não perca o prazo. Pedido de isenção pode ser feito até as 23h59 do dia 15 de abril     Termina às 23h59 deste domingo (15) o prazo para os candidatos ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pedirem a isenção da taxa de inscrição da prova. O Instituto Nacional […] [mais]