Unicamp decide hoje se abre novas vias para a inclusão social

Consu vota propostas que criam múltiplos mecanismos de ingresso em seus cursos de graduação, entre eles o sistema de cotas étnico-raciais.

A Unicamp decide hoje (21), por meio do seu Conselho Universitário (Consu), se adota uma política inovadora que cria múltiplas formas de ingresso nos seus cursos de graduação. A proposta, que foi formulada por um Grupo de Trabalho (GT Ingresso) constituído pelo próprio Consu, debatida nas congregações de faculdades e institutos e aprovada pela Câmara Deliberativa do Vestibular e Comissão Central de Graduação (CCG), abre novas portas de entrada para a Universidade, tendo por objetivo ampliar a representação do conjunto da sociedade na instituição. Entre as medidas sugeridas está a adoção de um sistema de cotas étnico-raciais que reserva 25% das vagas disponíveis para candidatos autodeclarados pretos e pardos. Caso sejam aprovadas, as medidas serão aplicadas a partir de 2019.

A matéria que será apreciada pelo Consu é resultado de um amplo processo de reflexão, que teve origem a partir do pleito dos estudantes, em 2016. Na oportunidade, os alunos paralisaram suas atividades e apresentaram uma série de reivindicações, entre elas a adoção de cotas étnico-raciais por parte da Unicamp. O Consu criou, então, um primeiro Grupo de Trabalho (GT Cotas), que organizou três audiências públicas e analisou as experiências de universidades que já haviam implantado esse tipo de sistema. Ao final do trabalho, o GT Cotas apresentou um relatório ao Consu recomendado a admissão do princípio das cotas, o que foi referendado pelo órgão.

Após essa primeira etapa, o Consu criou o GT Ingresso, que ficou encarregado de analisar e propor não somente um modelo para a inclusão de estudantes autodeclarados pretos e pardos, mas também outras formas de ingresso, de maneira a contemplar outros segmentos sub-representados no corpo discente. Os princípios que nortearam os estudos combinaram questões como mérito, justiça social, equidade e diversidade. Ao final de várias análises e simulações e de um intenso debate que envolveu todas as unidades de ensino e pesquisa, o GT Ingresso formulou uma proposta de deliberação contendo várias sugestões.

O documento, aprovado inicialmente na Câmara do Vestibular e na CCG, será apreciado agora pelo Consu, junto com as contribuições enviadas pelas faculdades e institutos. “A discussão do processo foi intensa na Universidade, e o resultado, creio eu, é um sistema inovador, que corresponde ao papel da Unicamp no cenário nacional, com inclusão social, cotas étnico-raciais e garantia de estudantes qualificados para uma das melhores universidades do país. Foi um processo extremamente maduro. Fizemos o debate necessário e conseguimos avançar num período curto de tempo”, analisa o reitor Marcelo Knobel.

A proposta de resolução construída pelo GT Ingresso contém seis recomendações principais. Uma delas é a adoção de um sistema de cotas étnico-raciais, com reserva de 25% das vagas aos candidatos autodeclarados pretos e pardos. Outra diz respeito à promoção de alterações no Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social (PAAIS), criado em 2004. Uma das novidades é a concessão de bonificação (20 pontos na primeira e segunda fase do Vestibular) também aos candidatos que cursaram o Ensino Fundamental II em escola pública. No modelo atual, o PAAIS confere pontuação adicional somente aos candidatos que fizeram o Ensino Médio em escola pública.

Uma terceira sugestão refere-se à oferta parcial de vagas pelo Sistema de Seleção Unificado (SISU). A CCG, porém, indicou ao Consu a substituição do Sisu pelo Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), de forma a conferir mais oportunidades de ingresso aos estudantes interessados. O GT Ingresso considerou igualmente importante que a Unicamp crie o Vestibular Indígena, que seria realizado de forma independente do Vestibular tradicional e com conteúdo específico. Ao analisar esse ponto, a CCG recomendou ao Consu que a matéria seja objeto de um estudo mais aprofundado, conduzido provavelmente por um novo GT.

Foto:Perri
O reitor Marcelo Knobel: “Foi um processo extremamente maduro. Fizemos o debate necessário e conseguimos avançar num período curto de tempo”

A designação de vagas para os melhores colocados em olimpíadas e competições de conhecimento também consta da proposta, assim como a expansão do Programa de Formação Interdisciplinar Superior (ProFIS) para as cidades da Região Metropolitana de Campinas (RMC) e os municípios de Piracicaba e Limeira. O documento traz, adicionalmente, a sugestão para que a Universidade realize estudos para a definição de bônus para vestibulandos com deficiência. “Embora o tempo tenha sido relativamente curto, o processo de construção da proposta de resolução foi rico em debates e contribuições. Todas as unidades de ensino e pesquisa tiveram a oportunidade de se manifestar sobre o documento. No geral, houve uma ampla compreensão de que a Unicamp precisa alterar as formas de ingresso aos seus cursos de graduação”, relata o professor José Alves de Freitas Neto, presidente do GT Ingresso e coordenador-executivo da Comissão Permanente para os Vestibulares (Comvest).

Além do entendimento sobre a necessidade de mudança, prossegue Freitas Neto, outro aspecto marcou as discussões pela comunidade universitária: a preocupação em fazer com que as inovações contemplassem critérios adequados de seleção de estudantes. Em outros termos, todos se empenharam em oferecer ideias que pudessem gerar maior inclusão e ao mesmo tempo assegurar as condições de funcionamento da Universidade no patamar em que ela se encontra. “Penso que conseguimos chegar a um conjunto conciliatório de propostas que preserva esses princípios”, considera o docente.

Segundo o presidente do GT Ingresso, caso a proposta de resolução seja aprovada, a Unicamp estará sinalizando que existem múltiplas experiências educacionais que merecem ser consideradas na busca pelos melhores estudantes. “O Vestibular vai continuar manuseando 80% das vagas porque esse é o sistema geral, que abarca o país como um todo. Os outros 20% serão destinados a sistemas flexíveis. Com isso, a Unicamp se aproxima das universidades de ponta do mundo, que têm critérios de seleção diferenciados. Estes vão além da aplicação de uma prova de conhecimentos gerais”, pondera Freitas Neto.

Para a pró-reitora de Graduação da Unicamp, professora Eliana Amaral, a instituição ganhou muito com o processo de discussão acerca das propostas que criam múltiplas vias de acesso aos seus cursos. “Nunca havia presenciado algo parecido. O que eu vi foi um processo de discussão muito maduro em torno de um tema que parecia bastante difícil, mas que foi tratado com muita serenidade e compromisso institucional. Penso que essa experiência deve servir de exemplo a futuras discussões no âmbito da Universidade”, analisa.

Se forem aprovadas pelo Consu, continua Eliana Amaral, as recomendações contidas no documento elaborado pelo GT Ingresso trarão outros ganhos para a Unicamp. Segundo ela, a chegada de novos segmentos à Universidade qualificará os processos de ensino e aprendizagem e enriquecerá a convivência nos campi. “A ideia é usar a diversidade como trampolim para a excelência, a exemplo do que fazem as melhores instituições de ensino do mundo”, diz.

Fonte

Calendário

outubro, 2018

Ordenar Opções

dom

seg

ter

qua

qui

sex

sab

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

Sem eventos.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

A pedido do MEC, governo adia início do horário de verão por causa do Enem 2018
A pedido do MEC, governo adia início do horário de verão por causa do Enem 2018.

Antes previsto para o dia 4 de novembro, o novo horário deve entrar em vigor no dia 18 seguinte. O presidente Michel Temer resolveu atender o pedido do Ministério da Educação (MEC) para adiar o início do horário de verão. A mudança nos relógios estava prevista para o dia 4 de novembro, primeiro dia de provas […] [mais]

MEC oficializa pedido para adiar horário de verão por causa do Enem
MEC oficializa pedido para adiar horário de verão por causa do Enem.

Solicitação, que já havia sido feita em caráter informal conforme revelou o GLOBO, foi encaminhada à Casa Civil   BRASÍLIA – O Ministério da Educação (MEC) formalizou nesta quinta-feira o pedido para adiamento do início do horário de verão neste ano por causa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Conforme o GLOBO revelou ontem, o […] [mais]

Exposição homenageia os 90 anos de “Macunaíma”
Exposição homenageia os 90 anos de “Macunaíma”.

Mostra que será aberta nesta sexta-feira, dia 3, na USP, traz obras que retratam o romance de Mário de Andrade O enigma da máquina, Impressão Fine Art, s/ Canvas, de Cleusa Rosseto – Foto: Divulgação Cenas do “herói sem nenhum caráter”, do escritor Mário de Andrade (1893-1945), inspiraram as telas, desenhos, fotografias e instalações dos […] [mais]