USP sobe 23 posições e alcança a melhor classificação no QS Ranking

06/09/2016 

Neste ano, a USP se destacou em dois indicadores: reputação acadêmica e reputação entre empregadores

 

A USP subiu 23 posições e ficou em 120º lugar no QS World University Ranking, divulgado no dia 5 de setembro, pela Quacquarelli Symonds, organização britânica de pesquisa em educação, especializada em instituições de ensino superior.

É a melhor posição alcançada pela Universidade, desde que o ranking passou a ser divulgado, em 2010. “Esse resultado mostra que o reconhecimento e o prestígio da USP fora do país estão aumentando gradativamente. Apesar de oscilações anuais, a posição da USP é consolidada como uma das melhores universidades não só da América Latina, mas também da Ibero-América – fato que já era conhecido, mas que se popularizou com o surgimento dos rankings”, explicou o reitor Marco Antonio Zago.

Em 2016, o QS World University avaliou mais de quatro mil universidades do mundo e classificou as 900 melhores instituições de acordo com seis indicadores: reputação acadêmica, reputação entre empregadores, proporção de professor para estudante, citações científicas, número de estudantes estrangeiros e corpo docente internacional.

Neste ano, a USP se destacou em dois desses indicadores. No item reputação acadêmica, que considera a opinião de pesquisadores sobre as melhores universidades de pesquisa do mundo, a Universidade subiu quatro posições, passando do 51º para o 47º lugar. No indicador reputação entre empregadores, que avalia a opinião dos empregadores sobre as instituições que formam os melhores profissionais, o avanço foi mais expressivo: a USP passou da 57ª posição, em 2015, para a 45ª, em 2016.

Apesar do bom desempenho, Zago explica que essas classificações devem ser analisadas com ressalvas. “Não podemos transformá-las em metas. Um aspecto é melhorar apenas a posição da Universidade nos rankings, outro, muito mais importante, é melhorar a Universidade de uma forma geral. De qualquer maneira, a classificação incentiva a coleta e a análise de dados dentro da própria instituição, revelando aspectos importantes como, por exemplo, que o impacto das pesquisas produzidas pela USP é equivalente ao de outras boas universidades do mundo, embora o porcentual de colaboração com pesquisadores internacionais ainda deva melhorar. Também é inegável que a boa reputação da USP nos rankings internacionais tem um impacto muito positivo nas parcerias com outras universidades, facilitando o intercâmbio de pesquisadores e o desenvolvimento de projetos de pesquisa com financiamento conjunto”, afirmou o reitor.

Além da USP, entre as brasileiras, a segunda mais bem posicionada foi a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), na 191ª posição, seguida da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no 321º lugar.

usp

Liderança acadêmica

Além do ranking geral, a Universidade também se destacou em outras classificações publicadas pela QS em 2016. A USP manteve a liderança no QS Latin America, que avalia as melhores universidades da América Latina. No QS Brics, que classifica as universidades dos países que compõem o bloco (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), a USP ocupa a 10ª posição e é a melhor universidade brasileira colocada.

No QS World University Ranking by Subject, a Universidade ficou entre as 200 melhores do mundo em 38 das 42 áreas de concentração avaliadas. Os destaques foram as áreas de Odontologia (9ª posição), Agricultura e Silvicultura (26ª), Antropologia (34ª), Engenharia de Minérios e Minas (36ª), Arquitetura (37ª) e Ciência Veterinária (38ª).

Este ano, pela primeira vez, a consultoria britânica Times Higher Education publicou um ranking focado nas universidades latino-americanas. Nesta classificação inaugural, a USP também ocupa a posição de liderança, seguida pela Unicamp, em segundo lugar, e pela Pontifícia Universidade Católica do Chile, em terceiro. No THE World Reputation Ranking 2016, divulgado pela mesma consultoria, a USP é a única instituição latino-americana classificada entre as 100 universidades com melhor reputação acadêmica do mundo.

Publicado no último dia 15 de agosto pela Shanghai Ranking Consultancy, o Academic Ranking of World Universities (ARWU) avaliou mais de 1.200 instituições, classificando as 500 primeiras. A USP é a universidade latino-americana mais bem colocada, no grupo entre a 100ª e a 150ª posição, mesma classificação alcançada no ano passado.

Em outra classificação, elaborada pelo Center for World University Rankings (CWUR), a USP ocupa a 138ª posição no ranking geral e é a primeira da América Latina.

Da Assessoria de Imprensa da USP

Calendário

novembro, 2018

Ordenar Opções

dom

seg

ter

qua

qui

sex

sab

-

-

-

-

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

Sem eventos.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Novembro: Mês da Conscientização do Câncer de Próstata
Novembro: Mês da Conscientização do Câncer de Próstata.

O câncer de próstata é o tipo de câncer mais comum entre os homens. A próstata é uma glândula que está localizada na base da bexiga, na frente do reto. É normal haver um aumento natural da próstata à medida que os homens envelhecem. Contudo, o câncer de próstata é causado com um aumento desproporcional […] [mais]

Enem 2018: locais de prova estão disponíveis para consulta no cartão de confirmação
Enem 2018: locais de prova estão disponíveis para consulta no cartão de confirmação.

Para acessar a informação, é necessário número do CPF e senha. Exame acontece nos dias 4 e 11 de novembro. Os candidatos que irão realizar o Exame Nacional do Ensino Médio 2018 podem consultar a partir desta segunda-feira (22), o cartão de confirmação com o local e o horário das provas. Para acessar o documento, é necessário […] [mais]

A pedido do MEC, governo adia início do horário de verão por causa do Enem 2018
A pedido do MEC, governo adia início do horário de verão por causa do Enem 2018.

Antes previsto para o dia 4 de novembro, o novo horário deve entrar em vigor no dia 18 seguinte. O presidente Michel Temer resolveu atender o pedido do Ministério da Educação (MEC) para adiar o início do horário de verão. A mudança nos relógios estava prevista para o dia 4 de novembro, primeiro dia de provas […] [mais]